Pedro Ortaça no Galpão 2014 no ENART.

A manhã de domingo (23) foi de festa com os dançarinos do CTG Ronda Charrua e o grupo Pedro Ortaça e Família. O Galpão Crioulo mostrou a grande festa que fez no Enart 2014, em Santa Cruz do Sul, o maior festival de arte amadora da América Latina.
O grupo de dançarinos do CTG Ronda Charrua, de Farroupilha, foi o vencedor da edição do ano anterior, eles voltaram ao evento para relembrar a beleza da coreografia que mostra a paixão entre Anita e Garibaldi. Ao lado de Shana Müller e Neto Fagundes, também subiram ao palco Pedro Ortaça e Família.
Fonte: Galpão crioulo

Pedro Ortaça canta na Abertura do ENART 2014-GALPÃO CRIOULO.

PEDRO ORTAÇA E FAMÍLIA NO GALPÃO CRIOULO DESTE DOMINGO
O ENART, maior festival amador da América Latina, é o palco do GALPÃO CRIOULO deste domingo. Durante três dias, a cidade de Santa Cruz do Sul respira ritmos e estilos da tradição e do folclore gaúcho divididos em competições que reúnem mais de 20 modalidades. E para animar esta grande festao programa leva o CTG RONDA CHARRUA, grupo de Farroupilha que levou o título de melhor invernadana edição do ano passado, e PEDRO ORTAÇA e FAMÍLIA, que embala o público com suas milongas bem missioneiras. O Galpão Crioulo vai ao ar neste domingo (23), às 6h25min, na RBS TV, logo após o Campo & Lavoura.

A música missioneira na Região Misioneira ajudando no desenvolvimento

Música missioneira e empreendedorismo motivaram participantes em reunião do Detur
Pedro Ortaça, um dos ícones musicais das Missões, falou sobre a influência da arte na divulgação do turismo. Presença da região em Buenos Aires e Gramado, também foi tema do encontro.
O encontro mensal do Detur/Funmissões que ocorreu em São Luiz Gonzaga, neste mês de outubro, abriu espaço também para a musicalidade. O show de Mário Meira, João Máximo e Jarbas Nadal, que se apresentaram na abertura do encontro, mostrou que o campo das artes, com ênfase na música, exerce papel fundamental no fomento do turismo regional. Outra participação expressiva foi do escritor missioneiro e coordenador da Trilha dos Santos Mártires, Sergio Venturini, que aproveitou para divulgar a próxima caminhada da comitiva por municípios da região, no período de 9 a 16 de novembro.
Projeto para propagar o turismo dos 26 municípios da AMM em stands da Expo São Luiz 2015 (30/09 a 04/10), foi apresentado na reunião pelo secretário municipal de Administração, Itamar Chagas, conjuntamente com o presidente do evento, Sergio Torres. A iniciativa tem entre os objetivos oferecer um ambiente propício ao desenvolvimento das potencialidades turísticas de cada comunidade, por meio do aprimoramento da integração regional.
Participação em Gramado e Buenos Aires Nos dias 25 a 28 deste mês vai acontecer em Buenos Aires a Feira Internacional de Turismo (FIT). Conforme estabelecido na assembleia mensal do Detur foi designada para divulgar os atrativos turísticos missioneiros, no stand da Embratur e da Setur, a diretora de Turismo de São Luiz Gonzaga, Sandra Ferreira. Já nos dias 6 e 7 de novembro, no Festival de Turismo em Gramado, foi aberta a participação dos prefeitos e responsáveis pelo setor nos municípios. “Durante o evento haverá o lançamento da marca ‘Orgulho de ser Missioneiro’. Também será uma oportunidade para que mais pessoas engajadas em promover crescimento do turismo das Missões, conheçam o funcionamento deste tipo de feira. Contamos com uma grande representação da região”, ressaltou a diretora do Detur, Rosane Grabia, acrescentando que o transporte será disponibilizado pela Funmissões. As outras despesas ficam por conta dos participantes.
Os trabalhos foram conduzidos pela diretora do Departamento e prefeita de Sete de Setembro, Rosane Grabia e pela secretária Executiva do Detur, Izabel Ribas, A reunião contou com a presença do presidente da AMM, prefeito anfitrião Junaro Rambo Figueiredo, do prefeito de Caibaté, Sérgio Birck, secretários municipais de Turismo, artistas plásticos, imprensa, entre outros.
Fortalecimento da rede hoteleira Diretora do setor de Turismo de São Luiz Gonzaga, Sandra Ferreira fez uma explanação sobre as ações de infraestrutura, que estão sendo realizados pela rede hoteleira são-luizense para receber os turistas com maior conforto. Entre os estabelecimentos tradicionais da cidade que estão qualificando os serviços destacam-se: Cometa Plaza Hotel: conta com 88 apartamentos, totalmente equipados e dispõe de opções para atender às diferentes necessidades de cada cliente; Hotel do Mário: capacidade para acomodar 50 hóspedes. Ampliação do restaurante que passou a comportar 200 pessoas; Ivo Hotel: capacidade de acomodação para 59 pessoas. Está investindo na troca de mobiliários, cama box e ar condicionado, em todos os apartamentos. Hotel Ipê: trocou logo e fachada para tornar o local com visual mais atraente; Hotel Xerife: capacidade inicial – 51 apartamentos, mais três quartos coletivos. Espaço com sala de jogos e academia. No próximo ano, vai construir mais 60 apartamentos.
Pousada temática Empreendimento já em fase de construção, próximo ao trevo de acesso à São Luiz Gonzaga, na BR 285, a Pousada Pedro Ortaça terá um espaço temático contando a trajetória deste renomado artista missioneiro. Com arquitetura semelhante às Ruínas de São Miguel, mas num estilo contemporâneo, o local vai valorizar ainda mais o turismo cultural das Missões, reconhecido internacionalmente.
Complexo turístico Jayme Caetano Braun Construção do complexo turístico Jayme Caetano Braun, na praça que leva seu nome, onde tem o monumento de 6 metros para homenagear o artista, fazem parte dos novos investimentos que serão executados via Ministério do Turismo. Sandra Ferreira explicou que o local será constituído de um Centro de Apoio ao Turista, com auditório para 25 pessoas, além da exibição de um documentário sobre a obra do payador, bem como a sua contribuição para o nascimento da música missioneira. As instalações incluem também uma sala de exposições e sanitários com acessibilidade. O segundo prédio será um centro de comercialização de artesanato, souvenirs e produtos coloniais.
Influência da música regionalista Pedro e Rose Ortaça participaram da reunião do Detur, durante toda a manhã do último dia 14 de outubro. Músico, cantor e compositor, Pedro Ortaça falou sobre a representatividade dos artistas e da música missioneira para fomentar o turismo regional. “Há mais de 50 anos cantamos as raízes e a história desta terra. Noel Guarani, Jayme Caetano Braun, Cenair Maicá e eu, formamos este ‘cancioneiro guaranítico’, como costumamos dizer”, recordou Pedro, ao enfatizar: “aqui tem história. E, em nossas andanças pelo mundo, graças a Deus, conseguimos divulgar nossa região, através do canto, da música e da poesia missioneira. Com nossa arte despertamos a curiosidade dos turistas em conhecer esse lugar, que retratamos em nossas canções”, explicou o músico.
“Ser missioneiro, um estado de alma” Com esta frase, o músico, cantor e compositor Pedro Ortaça definiu o significado de ser missioneiro. Com sua serenidade característica, ele disse que não precisa ter nascido na região para ter este sentimento pela cultura das Missões. “Eu nasci aqui, sou filho desta terra. Mas, tenho sangue de português, de espanhol e de índio guarani, pois minha avó era uma índia guarani”, contou ele.
O músico são-luizense destacou a importância de que as escolas ensinem mais sobre o assunto. “ser missioneiro é também um estado de espírito, que está em nosso íntimo. Tem muita gente que nasceu aqui, mas pouco sabe sobre a região. Por isso, as escolas devem dar aulas para que as crianças de hoje e de amanhã possam conhecer e defender a nossa história missioneira”, sugeriu.
Legado de irmandade dos guaranis
A representatividade da cultura missioneira e do sentimento de irmandade dos índios guaranis, foi relembrada por Pedro Ortaça. "É na região das Missões que estão as reduções deste legado que ficou pra nós. A prova de que aqui existiu uma civilização maravilhosa, o povo guarani, em que todos eram irmãos e tinham carinho e respeito uns pelos outros. Esse afeto falta nos dias de hoje, pois é a ganância que predomina entre as pessoas. Nós, que nascemos aqui, temos que mostrar para o mundo, no canto, na música e na poesia, que nas Missões ainda se cultiva esta irmandade herdada da cultura guarani ", evidenciou o músico de São Luiz Gonzaga.
A valorização do cenário missioneiro como uma forma de propagar o turismo, também foi citada. "Sempre digo aos pintores da região para que retratem em seus quadros as ricas paisagens das Missões, pois assim, estarão vendendo a nossa cultura traduzida na pintura e na arte ", concluiu Pedro Ortaça.
FOTOS reunião: Karin Schmidt/Emerson Scheis
FOTOS Pousada: Divulgação
Karin Schmidt
Jornalista Mtb 15378
Assessora de Imprensa
Associação dos Municípios das Missões (AMM)
/9605 3603
Skype: karin_jornalista
Fonte: Arquivo Pedro Ortaça

Programa Orgulho Gaúcho com a Família Ortaça

Programa Orgulho Gaúcho sorteia faca crioula Pedro Ortaça
Sorteio ocorreu no último programa de 2013
Representante do ganhador recebeu o prêmio das mãos de Pedro Ortaça
Foi no último programa Orgulho Gaúcho de 2013, que ocorreu o sorteio mais esperado do ano: a faca crioula Pedro Ortaça. Com mais de 120 ligações em um só programa, que tem duração de uma hora, o sorteio estava sendo anunciado há meses.
O ganhador do prêmio, o capataz da Fazenda Piratini de Bossoroca, Jorge Gomes, não pode vir a São Luiz Gonzaga retirar a faca, mas enviou um representante, que recebeu o presente das mãos de Dom Ortaça na última segunda-feira (06).
A faca é uma relíquia para colecionadores e para todos que apreciam o metal nobre. Feita com aço cirúrgico e cabo de madeira Jacarandá, da Bahia, possui excelente empunhadura. É uma edição limitada e numerada, com apenas 1.000 exemplares. Ela acompanha uma bainha em couro e uma caixa de madeira personalizada.
O programa Orgulho Gaúcho é apresentado pela Família Ortaça ao vivo todos os domingos, das 12h às 13h, na Rádio Missioneira. Fãs de todos os municípios da região, estado e do país acompanham o programa. Ligações e recados de outros países da Europa e Estados Unidos também já foram registrados no Orgulho Gaúcho.
No programa, além de falar sobre o cultura missioneira, são tocados os sucessos de Pedro Ortaça, Gabriel e Alberto Ortaça, pedidos pelos ouvintes. Surpreende o número de ligações em cada programa, com uma média de 100 ligações por domingo, além dos recados no site da emissora e no Facebook dos apresentadores e da Rádio Missioneira. Em todas as edições do Orgulho Gaúcho, são sorteados prêmios aos ouvintes, como DVDs, CDs, camisetas e revistas da Família Ortaça.
O programa pode ser ouvido através da frequência 1010 ou pelo site www.radiomissioneira.com.
Por Jornalismo 1010
Fonte: Rádio Missioneira

Pedro Ortaça recebe grande Homenagem em Curitibanos!

É a cultura do Rio Grande sendo reconhecido em outros pagos! Família Ortaca é símbolo vivo da cultura Missioneira e Riograndense! http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/reporter-farroupilha/platb/2013/07/14/irmaos-menotti-e-familia-ortaca-trocam-elogios-em-sc/ — com Gabriel Ortaça Ortaça e 2 outras pessoas.

Pedro Ortaça no MT

rá atração no
Serra Gaúcha deste domingo
Pedro Ortaça foi entrevistado pelo apresentador Sergio Reichert
co nativista, que estava
acompanhado na cidade
pela esposa, Dª Rose, e
pelos filhos Beto e Gabriel.
Na entrevista que
será levada ao ar no pró-
ximo domingo, no Serra
Gaúcha, o “Galo Missioneiro” – como também é
conhecido – falará sobre
sua carreira e estilo, sobre a atualidade da mú-
sica gaúcha e assuntos
relacionados à cultura
rio-grandense.
O músico nasceu no
Pontão de Santa Maria
em São Luiz Gonzaga,
região das Missões, noroeste do Rio Grande do
Sul, em 29 de junho de
1942. É Mestre das Culturas Populares Brasileira – Prêmio Humberto
Maracanã, do Ministério
da Cultura.
>> Redação DS
Diário da Serra >Política 03
O cantor e compositor nativista Pedro Orta-
ça será a grande atração
do programa Serra Gaú-
cha, neste domingo, 26,
na Serra FM (104,9). O
artista gaúcho esteve em
Tangará da Serra esta semana e visitou os estú-
dios da emissora, onde
foi entrevistado pelo comunicador Sergio Reichert.
Durante a entrevista, gravada na última
terça-feira pela manhã,
Pedro Ortaça enalteceu
a iniciativa da emissora
em abrir espaço à cultura gaúcha. “É bom saber que nossa cultura,
lá do ‘garrão’ do país,
é lembrada e valorizada tão longe, aqui em
Mato Grosso. Conheço
bem Tangará da Serra e
sempre sou bem recebid

Roteiro Cultura AJURIS

Pedro Ortaça no Roteiro Cultural
Depois do sucesso do Roteiro Cultural realizado em Santana do Livramento, chegou a vez da 5ª (Passo Fundo), 6ª (Santa Rosa), 10ª (Cruz Alta) e 14ª (Frederico Westphalen) coordenadorias sediarem o evento em São Miguel das Missões. No dia 15, data de abertura do CAM, às 18 horas será realizada reunião conjunta das coordenadorias, aberta a todos os associados, na sala Aktuapê, andar térreo do Hotel Tenondé.
Na sequência, os magistrados que estiverem na terra missioneira poderão desfrutar de uma apresentação do compositor e intérprete que é referência quando se trata da Região das Missões – Pedro Ortaça. Os juízes que participarão do CAM e os demais que tiverem interesse estão convidados a prestigiar o evento. O show é uma cortesia do cantor, que não cobrou cachê pela apresentação. No local, estarão à venda CD’s do músico.
O Roteiro Cultural segue no dia 16, às 19 horas quando os magistrados poderão ver a apresentação doEspetáculo Som e Luz no Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões. O ingresso é cortesia da AJURIS, mas é necessário confirmar presença até o dia 14, às 18 horas, para fins de organização da logística (telefones (51) 3284 9119, 3284 9155 ou pelo e-mail: coordenadoria@ajuris.org.br). A saída do Hotel será às 18h30min.
A reunião das coordenadorias e as atividades culturais do roteiro serão desenvolvidas em paralelo ao CAM com apoio da Corregedoria Geral da Justiça.
Quem é Pedro Ortaça:
Pedro Ortaça é músico, cantor, compositor missioneiro, nasceu no Pontão de Santa Maria em São Luiz Gonzaga, em 29 de junho de 1942. Tem mais de 120 músicas de sua autoria, sete discos gravados, 12 CD’s e um DVD. Em seu site Pedro Ortaça relata como ocorreu a formação do que chama Identidade musical missioneira: “Em meados de 1966 eu juntamente com Noel Guarany e Cenair Maíca nos reunimos para tocar e cantar, e decidimos que iríamos criar um novo modo de cantar e tocar, a maneira que as coisas do Rio Grande eram colocadas não nos satisfaziam não era a maneira que queríamos como norte para nosso trabalho. Que nos torna diferentes diante da música gaúcha. E reconhecida no Rio Grande do Sul no Brasil pela maneira diferente de cantarmos.” Saiba mais sobre a carreira do cantor AQUI. Pedro Ortaça nas palavras do magistrado Laércio Luiz Sulczinski
Tenho orgulho de ser amigo da família e compadre do grande Pedro Ortaça, com quem convivi em São Luiz Gonzaga, capital missioneira, terra de gente talentosa e guerreira. Cantor e compositor que tem admiradores aqui e fora do país por levar a música, com encanto especial, numa identidade musical forte cujo legado de poesia, beleza e dignidade são realçados pela voz poderosa de Pedro cujos shows são sempre um grande sucesso, porque ladeado também de seus queridos filhos Gabriel, Alberto, Marianita, talentosos músicos, que seguem a seiva paterna das essências mais profundas. Não há quem não se encante com suas músicas, suas interpretações, razão pela qual tem sido premiado e homenageado em todos os cantos deste país. A reverência de sua legião de fãs e os inúmeros estudos que fazem de sua grandiosa obra artística o alçou a condição de Grande Artista da música brasileira. Quem tem o prazer e a sorte de privar do contato pessoal com o ser humano Pedro Ortaça verá que sua humildade e dignidade tem a grandeza daqueles poucos que têm a luz que iluminam o caminho dos viventes.
Pedro Ortaça por Apparício Silva Rillo
Pedro Ortaça, cria da região e soldado, por mérito e conquista, da legião dos "missioneiros" por excelência, surgiu após os grande e luminares Jayme Caetano Braun e Noel Guarany, e ao mesmo tempo que o não menos importante Cenair Maicá.
Ortaça veio de baixo e silenciosamente, como um veio d’água que traz em si os íntimos segredos da terra de que brota. Afirmou-se pelos anos, ombreou-se com seus irmãos da mesma luta.
Afinou sua guitarra pelo timbre dos sinos das catedrais jesuíticas que o tempo fez ruir; alteou seu canto com reflexos de picumã galponeiro pelos quatro pontos cardeais do estado gaúcho; superou as fronteiras naturais da "pequena pátria" e, hoje, é conhecido nacionalmente como uma das mais originais expressões da terra, do povo e dos costumes do território onde, há mais de três séculos, o gênio jesuítico começou a levantar o império teocrático das Missões.
Ele, sua viola e sua voz não apenas canta e toca, o grande Ortaça. Ensina, também, e agride, protesta e toma posições. Seu canto é comprometido com seu destino de homem que preza a liberdade como bem inalienável de todos, sem diferenças de cor ou classe, credo ou política, riqueza ou miséria material.
Ao musicar, além de textos próprios, poemas de Jayme Braun, José Hilário Retamozo, Carlos Cardinal e alguns outros – entre os quais me incluo, reverente – Ortaça realimenta as mensagens, figuras e símbolos de seus poetas irmãos. Esses que, a exemplo dele, hauriram da cultura missioneira os motivos fundamentais ou episódios de suas criações.
Divide, assim, o seu talento – porque sabe e conhece e proclama que os "missioneiros", de nascimento ou por adoção anímica, são uma única e potente voz a reverenciar, de ontem para o amanhã, os legados de flor e lança, sangue e sêmen que lhes deixou a "pátria colorada" dos Sete Povos. Fimbriada, em seu costado de resistência e confrontos, pelo rio Uruguai. Que todos (pai e padrinho) batizaram com suas águas de cantiga.
Fonte:
Departamento de Comunicação Imprensa/AJURIS (51) 3284.9141 imprensa@ajuris.org.br

Pedro Ortaça e Grupo estarão dia 07 em Caxias do Sul

Festchê V – O Maior espetáculo da Música Gaúcha está de volta!
Foto: Divulgação
Confira abaixo as atrações do Festchê V, já confirmadas! PEDRO ORTAÇA OS FILHOS DO RIO GRANDE OS MONARCAS CÉSAR OLIVEIRA E ROGÉRIO MELO WALTHER MORAIS GRUPO RODEIO JOCA MARTINS ELTON SALDANHA OS BERTUSSI BUENAS E M’ESPALHO TCHÊ BARBARIDADE ADELAR BERTUSSI GABRIEL ORTAÇA GILBERTO MONTEIRO PARTICIPAÇÃO ESPECIAL – GRUPO DE DANÇAS OS GAUDÉRIOS
Share on twitterShare on facebookShare on emailMore Sharing Services
Fonte: Acit

Sucesso Show de Pedro Ortaça em PANAMBI no MOINHO DA CANÇÃO GAÚCHA

O sucesso do 2º Moinho da Canção Gaúcha
Empolgante, show de intervalo foi feito pelo missioneiro Pedro Ortaça e família
Mais uma vez, sucesso absoluto. Em sua segunda edição, o Moinho da Canção Gaúcha de Panambi levou novamente um grande público ao Centro de Eventos do Parque Municipal Rudolfo Arno Goldhardt, na noite de 8 de dezembro. E, além do público que lotou o ambiente, um grande número de pessoas acompanhou a programação em um telão disponibilizado fora do salão. A cada apresentação, a vibração de todos era intensa, e ficou ainda maior com o empolgante show de intervalo feito pelo renomado artista missioneiro Pedro Ortaça juntamente com sua família. Organizado pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec), o evento, com entrada gratuita, teve financiamento da Secretaria Estadual da Cultura – pela lei Pró-Cultura/RS –, realização do Ministério da Cultura e apoio da D. Marin Planejamento Cultural e Danna Comunicação Integrada. De acordo com a comissão organizadora, foram 470 músicas inscritas na categoria geral e 20 na categoria local. Destas 490, 18 canções – sendo 14 da geral e quatro da local – foram classificadas e então apresentadas no dia do evento, para concorrer aos prêmios. A triagem – escolha, pelos jurados, das músicas inscritas que se classificam à fase final – foi feita nos dias 19 e 20 de novembro. Os jurados foram Gabriel Moraes, natural de Cruz Alta, produtor e apresentador de programas de rádio e televisão, voltados especialmente à projeção da cultura nativista gaúcha; Miguel Marques, natural de Santiago, cantor nativista e um dos mais premiados intérpretes do RS, com 17 discos lançados; Silvio Aymone Genro, natural de Uruguaiana, poeta, compositor, escritor e artista plástico; Tuny Brum, músico, compositor e intérprete, vencedor de diversos festivais de música do Estado; e Zulmar Benitez, natural de São Sepé, músico, compositor, arranjador e produtor musical, com aproximadamente 300 músicas de sua autoria. Em breve será lançado o CD com as músicas desta segunda edição, e o 3º Moinho já está marcado para o dia 7 de dezembro de 2013, também um sábado. Ordem de apresentação das músicas concorrentes (fases local e geral) Nome da música / Ritmo / Intérprete 1) “Gaúchos de coração” / Chamamé / Leonardo Diaz Morales 2) “Na terra do alemão” / Contra-passo / Guaiquica 3) “O moinho” / Milonga / Robledo Martins 4) “Cancelas e corredores” / Canção / Jean Kirchoff 5) “De remos e rumos” / Valsa / Dartagnan Portela 6) “Ao passo do meu picaço” / Chamarra / Flavio Hanssen 7) “Roda moinho / Milonga” / Nenito Sarturi e Leonardo Sarturi 8) “Pra cantar na primavera” / Milonga canção / Claudia Junges Schirmer 9) “Oficinas do tempo” / Rasguido doble / Leonardo Diaz Morales 10) “A mesma estrela” / Milonga / Robledo Martins 11) “Morena, flor da serra” / Milonga / Sabani Felipe de Souza 12) “Um tempo / Milonga” / José Ricardo Maciel Nerling e Murilo Andrade 13) “Miséria” / Canção / Nilton Ferreira 14) “Na ponta da faca” / Rancheira / Adams Cézar 15) “Pelo som dos festivais” / Chamarra / Dartagnan Portela 16) “De rumos e sonhos” / Rasguido doble / Nenito Sarturi 17) “Quando o homem se aparta da lida” / Rasguido doble / Emerson Martins 18) “Bravo imigrante” / Milonga / Léo Almeida *** Resultado final do 2º Moinho da Canção Gaúcha de Panambi (a premiação era troféu + dinheiro) Categoria local 1º lugar (R$ 600,00): Léo Almeida, com “Bravo imigrante” (letra: Vitor Fiorante Bertei; música: Luís Felipe da Rosa) 2º lugar (R$ 400,00): Leonardo Diaz Morales, com “Gaúchos de coração” (letra: Vinícius Gabbe; música: João Paulo Deckert) 3º lugar (R$ 300,00): José Ricardo Maciel Nerling e Murilo Andrade, com “Um tempo” (letra e música: José Ricardo Maciel Nerling) 4º lugar (R$ 150,00): Cláudia Junges Schirmer, com “Pra cantar na primavera” (letra: Luiz Carlos “Shaka” Guerreiro; música: Pedro Carvalho Júnior) Categoria geral 1º lugar (R$ 2.500,00): Jean Kirchoff, com “Cancelas e corredores” (letra: Ivo Bairros de Brum; música: Jair Oliveira de Medeiros) 2º lugar (R$ 2.000,00): Nilton Ferreira, com “Miséria” (letra: Carlos Omar Villela Gomes; música: Nilton Ferreira) 3º lugar (R$ 1.500,00): Nenito Sarturi e Leonardo Sarturi, com “Roda moinho” (letra: Nenito Sarturi; música: Leonardo Sarturi) Melhor intérprete (R$ 500,00): Nilton Ferreira, com “Miséria” Melhor letra (R$ 500,00): Ivo Bairros de Brum, com “Cancelas e corredores” Melhor melodia (R$ 500,00): Jair Medeiros, com “Cancelas e corredores” Melhor instrumentista (R$ 500,00): Alan Portela, com a música “De remos e rumos” Música mais popular (R$ 700,00): “Bravo imigrante”, interpretada por Léo Almeida *** Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=RDyDhQkpPmI http://www.youtube.com/watch?v=vapzjejuJOE http://www.youtube.com/watch?v=0sysG0UiTEs http://www.youtube.com/watch?v=HvaVl0u3IPg http://www.youtube.com/watch?v=2BeGa_5ihkU http://www.youtube.com/watch?v=-EBQQUM1FqA http://www.youtube.com/watch?v=bqY0KRN0lqc http://www.youtube.com/watch?v=A_6omawBHuY http://www.youtube.com/watch?v=vjZdweK2Zts http://www.youtube.com/watch?v=OgKLtHaG5ow http://www.youtube.com/watch?v=kZsBaotajIo http://www.youtube.com/watch?v=tqzWYt-sh7I http://www.youtube.com/watch?v=JYLKiaqD88E http://www.youtube.com/watch?v=-wYuGhBNxpk http://www.youtube.com/watch?v=GHnoZ1FfgSU http://www.youtube.com/watch?v=04rA6agLuag http://www.youtube.com/watch?v=LtXVxLYZy7A Fotos e gravações: Marcio Bühring
Fonte: http://www.toprevista.com.br/site/ver.php?codigo=9243#

São Luiz Gonzaga é Capital da Música Missioneira

São Luiz Gonzaga é a Capital Estadual da Música Missioneira
Pedro Ortaça viveu momentos emocionantes na Assembléia Legislativa do estado, foi recebido com muito carinho e respeito por todos os deputados presentes(48) Foi um dia que ficará marcado na alma do artista e na memória do povo. Assembleia aprova por unanimidade o título para São Luiz Gonzaga Agora São Luiz Gonzaga é a " Capital Estadual da Música Missioneira" 23 de Outubro de 2012- Projeto de Lei nº 172 /2012 Deputado(a) Dr Basegio Declara o Município de São Luiz Gonzaga ”Capital Estadual da Música Missioneira”. Art. 1.º Fica declarado o Município de São Luiz Gonzaga como “Capital Estadual da Música Missioneira”. Art. 2.º – Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Sala das Sessões, em Deputado(a) Dr Basegio JUSTIFICATIVA O presente Projeto de Lei objetiva declarar o Município de São Luiz Gonzaga como Capital Estadual da Música Missioneira. São Luiz Gonzaga está situado na Mesorregião Noroeste Rio-Grandense, distante cerca de 505 km de Porto Alegre. Possui uma área de 1297,92 km² e sua população estimada é de 34.558 habitantes, conforme o Censo Demográfico do IBGE 2010. São Luís das Missões, mais tarde chamada de São Luiz Gonzaga, foi fundada em 1687 pelo padre Miguel Fernandes, no chamado território das Missões, criadas em decorrência da ação dos jesuítas, destinada à catequese dos índios guaranis, habitantes daquela área. As missões jesuíticas desenvolveram-se por extenso território que atingia do Brasil, Argentina e Paraguai, criando uma florescente civilização de construtores, escultores, entalhadores, pintores, músicos e outros artesãos, os quais deixaram marcas que até hoje perduram nas ruínas da denominada República Guarani. Das trinta reduções jesuíticas existentes, sete fixaram-se à margem esquerda do Rio Uruguai, dando origem aos Sete Povos das Missões, entre os quais situa-se o município de São Luiz Gonzaga. Nas Missões, a música sempre foi muito importante. Cantava-se para tudo, para trabalhar, festejar, louvar o Tupã guarani, guerrear, para prantear e enterrar os mortos. O lendário Padre Antonio Sepp formou milhares de músicos, virtuoses que tocavam com a notação musical mais avançada da época. Depois da expulsão dos jesuítas, do traslado dos índios para o outro lado do rio e a chegada dos imigrantes, ocorreu um esvaziamento nessa musicalidade. Como muito bem concluiu a Professora São-luizense Roselene Moreira Gomes Pommer, em sua Tese de Doutorado “Missioneirismo: a produção de uma identidade regional”, São Luiz Gonzaga foi pioneiro, nas décadas de 70 e 80, entre os municípios da Região das Missões, na apropriação de referenciais guaranis do passado, motivando a população a apresentar-se como missioneira. Nesse contexto, um dos episódios mais interessantes da cultura brasileira, o resgate e a definição da identidade missioneira, teve São Luiz Gonzaga como epicentro. Não só pela sua importância, mas pelaforma como ocorreu, espontânea e totalmente à margem dos âmbitos letrados, tendo como artífices artistas populares com sólida cultura.. Autodidatas, os quatro missioneiros, Jayme Caetano Braun, Noel Guarany, Pedro Ortaça ( nascidos em solo São-luizense) e Cenair Maicá, contaram as suas histórias de luta, garra e superação. Foram denominados como os Quatro Troncos da Cultura Missioneira, cada qualcom seu estilo, criando uma marca na cultura musical gaúcha, a “Identidade Musical Missioneira”. Por Rádio São LuizAtravés de encontros espontâneos, da convivência pessoal e musical, consolidaram o pensamento de que a região missioneira devia ter um estilo musical próprio, uma maneira de cantar, de forma diferenciada, as Missões. Tiveram eles ciência da sua grandiosidade, falavam desta cultura em versos, payadas e músicas, possibilitando o surgimento de uma nova identidade musical no RS e no Brasil, arregimentada por um inestimável legado cultural e social, registrando a cultura de um povo de mais de trezentos anos de história. Guerras, a República Guarani, a atividade pastoril, cantos denunciando as injustiças sociais e culturais, os ofícios que fizeram homens e mulheres acreditar nesta terra, a semente lançada ao solo fértil, a utopia dos guaranis, valores como a palavra e a amizade, a força de amor ao pago, funcionaram como combustível para que eles pudessem ter, ao alcance da mão e do coração, o perfeito motivo para cantar o AAD57107 23/10/2012 17:50:50 Página 1 de 2cenário de suas origens. Transcendendo aquele tempo esses valores, que caracterizam uma nova identidade da cultura musical gaúcha, continuam marcantemente presentes, como um legado aos compositores e cantadores da verdadeira música missioneira.Ante o exposto se faz meritório, por parte do Parlamento gaúcho, o reconhecimento do municípiode São Luiz Gonzaga como a Capital Estadual da Música Missioneira,contando com a colaboração dosnobres pares para a aprovação deste Projeto de Lei. Por Radio São Luiz Fonte: AL/RS
Fonte: AL/RS Rádio São Luiz -Rádio Missioneira-Gravadora ACIT